terça-feira, 16 de maio de 2017

TEXTO : GLOBALIZAÇÃO 8º ANO - GEOGRAFIA



A globalização é um processo de integração social, econômica e cultural entre as diferentes regiões do planetaglobalização é um dos termos mais frequentemente empregados para descrever a atual conjuntura do sistema capitalista e sua consolidação no mundo. Na prática, ela é vista como a total ou parcial integração entre as diferentes localidades do planeta e a maior instrumentalização proporcionada pelos sistemas de comunicação e transporte.

Mas o que é globalização exatamente?

O conceito de globalização é dado por diferentes maneiras conforme os mais diversos autores em Geografia, Ciências Sociais, Economia, Filosofia e História que se pautaram em seu estudo. Em uma tentativa de síntese, podemos dizer que a globalização é entendida como a integração com maior intensidade das relações socioespaciais em escala mundial, instrumentalizada pela conexão entre as diferentes partes do globo terrestre.

Vale lembrar, no entanto, que esse conceito não se refere simplesmente a uma ocasião ou acontecimento, mas a um processo. Isso significa dizer que a principal característica da globalização é o fato de ela estar em constante evolução e transformação, de modo que a integração mundial por ela gerada é cada vez maior ao longo do tempo.

Há um século, por exemplo, a velocidade da comunicação entre diferentes partes do planeta até existia, porém ela era muito menos rápida e eficiente que a dos dias atuais, que, por sua vez, poderá ser considerada menos eficiente em comparação com as prováveis evoluções técnicas que ocorrerão nas próximas décadas. Podemos dizer, então, que o mundo encontra-se cada dia mais globalizado.
O avanço realizado nos sistemas de comunicação e transporte, responsável pelo avanço e consolidação da globalização atual, propiciou uma integração que aconteceu de tal forma que tornou comum a expressão “aldeia global”. O termo “aldeia” faz referência a algo pequeno, onde todas as coisas estão próximas umas das outras, o que remete à ideia de que a integração mundial no meio técnico-informacional tornou o planeta metaforicamente menor.
A origem da Globalização

Resultado de imagem para A origem da Globalização

Não existe um total consenso sobre qual é a origem do processo de globalização. O termo em si só veio a ser elaborado a partir da década de 1980, tendo uma maior difusão após a queda do Muro de Berlim e o fim da Guerra Fria. No entanto, são muitos os autores que defendem que a globalização tenha se iniciado a partir da expansão marítimo-comercial europeia, no final do século XV e início do século XVI, momento no qual o sistema capitalista iniciou sua expansão pelo mundo.
De toda forma, como já dissemos, ela foi gradativamente apresentando evoluções, recebendo incrementos substanciais com as transformações tecnológicas proporcionadas pelas três revoluções industriais. Nesse caso, cabe um destaque especial para a última delas, também chamada de Revolução Técnico-Científica-Informacional, iniciada a partir de meados do século XX e que ainda se encontra em fase de ocorrência. Nesse processo, intensificaram-se os avanços técnicos no contexto dos sistemas de informação, com destaque para a difusão dos aparelhos eletrônicos e da internet, além de uma maior evolução nos meios de transporte.
Portanto, a título de síntese, podemos considerar que, se a globalização iniciou-se há cerca de cinco séculos aproximadamente, ela consolidou-se de forma mais elaborada e desenvolvida ao longo dos últimos 50 anos, a partir da segunda metade do século XX em diante.
Características da globalização / aspectos positivos e negativos
Uma das características da globalização é o fato de ela se manifestar nos mais diversos campos que sustentam e compõem a sociedade: cultura, espaço geográfico, educação, política, direitos humanos, saúde e, principalmente, a economia. Dessa forma, quando uma prática cultural chinesa é vivenciada nos Estados Unidos ou quando uma manifestação tradicional africana é revivida no Brasil, temos a evidência de como as sociedades integram suas culturas, influenciando-se mutuamente.
Existem muitos autores que apontam os problemas e os aspectos negativos da globalização, embora existam muitas polêmicas e discordâncias no cerne desse debate. De toda forma, considera-se que o principal entre os problemas da globalização é uma eventual desigualdade social por ela proporcionada, em que o poder e a renda encontram-se em maior parte concentrados nas mãos de uma minoria, o que atrela a questão às contradições do capitalismo.
Além disso, acusa-se a globalização de proporcionar uma desigual forma de comunicação entre os diferentes territórios, em que culturas, valores morais, princípios educacionais e outros são reproduzidos obedecendo a uma ideologia dominante. Nesse sentido, forma-se, segundo essas opiniões, uma hegemonia em que os principais centros de poder exercem um controle ou uma maior influência sobre as regiões economicamente menos favorecidas, obliterando, assim, suas matrizes tradicionais.
Entre os aspectos positivos da globalização, é comum citar os avanços proporcionados pela evolução dos meios tecnológicos, bem como a maior difusão de conhecimento. Assim, por exemplo, se a cura para uma doença grave é descoberta no Japão, ela é rapidamente difundida (a depender do contexto social e econômico) para as diferentes partes do planeta. Outros pontos considerados vantajosos da globalização é a maior difusão comercial e também de investimentos, entre diversos outros fatores.
É claro que o que pode ser considerado como vantagem ou desvantagem da globalização depende da abordagem realizada e também, de certa forma, da ideologia empregada em sua análise. Não é objetivo, portanto, deste texto entrar no mérito da discussão em dizer se esse processo é benéfico ou prejudicial para a sociedade e para o planeta.



Efeitos da Globalização
Existem vários elementos que podem ser considerados como consequências da globalização no mundo. Uma das evidências mais emblemáticas é a configuração do espaço geográfico internacional em redes, sejam elas de transporte, de comunicação, de cidades, de trocas comerciais ou de capitais especulativos. Elas formam-se por pontos fixos – sendo algumas mais preponderantes que outras – e pelos fluxos desenvolvidos entre esses diferentes pontos.
Outro aspecto que merece destaque é a expansão das empresas multinacionais, também chamadas de transnacionais ou empresas globais. Muitas delas abandonam seus países de origem ou, simplesmente, expandem suas atividades em direção aos mais diversos locais em busca de um maior mercado consumidor, de isenção de impostos, de evitar tarifas alfandegárias e de angariar um menor custo com mão de obra e matérias-primas. O processo de expansão dessas empresas globais e suas indústrias reverberou no avanço da industrialização e da urbanização em diversos países subdesenvolvidos e emergentes, incluindo o Brasil.
Outra dinâmica propiciada pelo avanço da globalização é a formação dos acordos regionais ou dos blocos econômicos. Embora essa ocorrência possa ser inicialmente considerada como um entrave à globalização, pois acordos regionais poderiam impedir uma global interação econômica, ela é fundamental no sentido de permitir uma maior troca comercial entre os diferentes países e também propiciar ações conjunturais em grupos.
Por fim, cabe ressaltar que o avanço da globalização culminou também na expansão e consolidação do sistema capitalista, além de permitir sua rápida transformação. Assim, com a maior integração mundial, o sistema liberal – ou neoliberal – ampliou-se consideravelmente na maior parte das políticas econômicas nacionais, difundindo-se a ideia de que o Estado deve apresentar uma mínima intervenção na economia.


A globalização é, portanto, um tema complexo, com incontáveis aspectos e características. Sua manifestação não pode ser considerada linear, de forma a ser mais ou menos intensa a depender da região onde ela se estabelece, ganhando novos contornos e características. Podemos dizer, assim, que o mundo vive uma ampla e caótica inter-relação entre o local e o global.


ASSISTA  UM VÍDEO PARA FIXAR CONTEÚDO ...  rsrrsrsr  . É BOM !!!




------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AVALIAÇÃO  DE CONHECIMENTOS E CONCEITOS 



Globalização ... O mundo na ponta dos dedos.
Todos os dias escutamos a expressão “aldeia global”, mas o conceito de aldeia é um lugar relativamente pequeno, certo? Então por que utilizamos essa expressão? Como o mundo virou uma aldeia? Pelo fato de as fronteiras terem sido quebradas.
A tecnologia atual permite que as pessoas no mundo inteiro, nos vários continentes, possam entrar em  contato umas com as outras em tempo real. No passado, para a realização de uma viagem entre dois continentes eram necessárias cerca de quatro semanas. Um fato ocorrido na Europa chegava ao conhecimento dos brasileiros 60 dias depois.Hoje esse tempo diminuiu drasticamente. No primeiro momento da globalização, os europeus, saindo da crise do feudalismo, entraram em suas embarcações movidas a vela e desbravaram os oceanos em busca de novos mercados. Tendo em vista que, o consumo interno e fontes fornecedoras de matérias-primas encontravam-se saturadas. Mais adiante, o homem passou a vencer maiores distâncias em um curto espaço de tempo desenvolvendo as locomotivas a vapor, o carro e
o transporte aéreo. Sendo assim, podemos dizer que a globalização surgiu somente depois do avanço tecnológico nos meios de transportes e nas telecomunicações, fazendo com que o mundo “encurtasse” as distâncias.

As inovações tecnológicas, principalmente nas telecomunicações e na informática, promoveram o processo de globalização. A partir da rede de telecomunicação (telefonia fixa e móvel, internet, televisão, aparelho de fax, entre  outros) foi possível a difusão de informações de forma global. Hoje, um mesmo produto é encontrado em diferentes pontos do planeta. Isso se deu graças ao incremento no fluxo comercial mundial,que tem como principal fator a modernização dos transportes, especialmente o marítimo, pelo qual ocorre grande parte das transações comerciais (importação e exportação). O transporte marítimo possui uma elevada capacidade de carga, que permite também a mundialização, ou melhor dizendo, globalização
dessas mercadorias.

A globalização é um fenômeno social que ocorre em escala global. Esse processo consiste em uma integração em caráter econômico, social, cultural e político entre diferentes países.A globalização é a fase mais avançada do capitalismo.

Veja como Gilberto Gil, um dos mais importantes artistas do Brasil e da América Latina, retrata na música Pela Internet nossa era digital:


Gilberto Gil
Pela Internet

Criar meu web site
Fazer minha home-page
Com quantos gigabytes
Se faz uma jangada
Um barco que veleje
Que veleje nesse infomar
Que aproveite a vazante da infomaré
Que leve um oriki do meu velho orixá
Ao porto de um disquete de um micro em Taipé
Um barco que veleje nesse infomar
Que aproveite a vazante da infomaré
Que leve meu e-mail até Calcutá
Depois de um hot-link
Num site de Helsinque
Para abastecer
Eu quero entrar na rede
Promover um debate
Juntar via Internet
Um grupo de tietes de Connecticut
De Connecticut acessar
O chefe da Macmilícia de Milão
Um hacker mafioso acaba de soltar
Um vírus pra atacar programas no Japão
Eu quero entrar na rede pra contactar
Os lares do Nepal, os bares do Gabão
Que o chefe da polícia carioca avisa pelo celular
Que lá na praça Onze tem um vídeopôquer para se
Jogar


VÍDEO 







Atividade
Produza uma dissertação argumentativa relacionando a música Pela Internet de Gilberto Gil com o texto

Globalização – o mundo na ponta dos dedos (mínimo 15 linhas).


Atividade  II  

Um relatório do Fórum Econômico Mundial assinala que os países emergentes, apesar do vistoso desempenho econômico dos últimos anos, ainda estão muito atrasados no investimento em tecnologias da informação (TI), isto é, os sistemas de gerenciamento de dados e de comunicação. Trata-se de uma área crucial para que o desenvolvimento desses países, entre os quais está o Brasil, mude de patamar, dando-lhes melhores condições de competir com os países ricos e de proporcionar bem-estar à população. O estudo do Fórum adverte que a demora na superação das deficiências comprometerá o potencial de expansão dos emergentes [...].       

 Nesse ranking anual de conectividade, o Brasil subiu do 65.º para o 60.º lugar entre 144 países, abaixo de Rússia (54.º) e China (58.º) e acima de Índia (68.º) e África do Sul (70.º). Na América Latina, o Brasil é superado por Chile (34.º), Porto Rico (36.º), Barbados (39.º), Panamá (46.º), Uruguai (52.º) e Costa Rica (53.º). A classificação leva em conta fatores como a infraestrutura, o nível de preparo para o uso de TI, a qualidade e o custo do acesso aos sistemas e a facilidade para fazer negócios e promover inovação, além dos efeitos da TI sobre a economia e a sociedade [...].

O Estado de S. Paulo, 27 de abril de 2013. Lento avanço tecnológico. Disponível em: Estadão.com

Com base na leitura do texto, podemos dizer que o processo de globalização e difusão de tecnologias é:

I.                     Desigual, acompanhando sempre os níveis de desenvolvimento econômico.

II.                    Dinâmico, baseado nas transformações provocadas pelos avanços tecnológicos.

III.                  Estrutural, uma vez que necessita de bens materiais para estabelecer a sua expansão.

IV.                 Revolucionário, pois realiza sua expansão rapidamente, mesmo em zonas periféricas.

São corretas as afirmativas:


              a) I e II                 b) II e III                 c) I e IV                 d) III e IV                                   e) II, III e IV




sexta-feira, 5 de maio de 2017

ORGANISMOS INTERNACIONAIS - GEOGRAFIA - 3º ANO -

Principais Organizações internacionais

As organizações internacionais são órgãos multilaterais responsáveis pela integração, inter-relação e acordos envolvendo diversos países.


As organizações internacionais da atualidade tiveram o seu surgimento, em sua maioria, na segunda metade do século XX. No entanto, foi com a globalização e o fim da Guerra Fria que elas se consolidaram como importantes atores no cenário internacional, passando por um relativo período de fortalecimento.
Em virtude da recente ampliação da integração geoeconômica global, essas organizações tornaram-se atores importantes no cenário mundial, com a missão de estabelecer um ordenamento das relações intranacionais de poder e influência política. Atuam na elaboração e regulação de normas, suscitam acordos entre países, buscam atender determinados objetivos, entre outras funções.
Existem incontáveis organizações internacionais, isto é, aquelas instituições formadas por dois ou mais Estados. Porém, no que concerne ao âmbito geopolítico, econômico e humanístico global, algumas delas se destacam pela sua importância, dentre elas, podemos citar ONU, OMC, Otan, FMI, Banco Mundial, OIT e OCDE. A seguir, vamos compreender um pouco melhor o significado e a importância de cada uma dessas siglas.
Descrição: https://t.dynad.net/pc/?dc=5550003218;ord=1493988593313
ONU – A Organização das Nações Unidas é considerada o mais importante organismo internacional atualmente existente, importante por reunir praticamente todas as nações do mundo. Ela surgiu ao final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) em substituição à antiga Liga das Nações e objetiva promover a paz e a segurança mundial.
A principal instância decisória da ONU é o Conselho de Segurança, formado por um grupo muito restrito de países. Na verdade, esses países são os antigos vencedores da Segunda Guerra Mundial: Rússia (ex-União Soviética), Estados Unidos, França, Reino Unido e a China (essa última não participou ativamente da Segunda Guerra, mas conseguiu grande prestígio e poder internacionais, capazes de assegurar uma vaga no Conselho). Além desses cinco países, que são membros permanentes, fazem parte outros cinco países provisórios, que se alternam periodicamente.
O poder desse Conselho de Segurança é elevado, pois é ele quem toma as principais decisões da ONU. Além disso, os cinco membros permanentes têm o chamado poder de veto, em que qualquer um deles pode barrar uma decisão, mesmo que todos os outros países sejam favoráveis.
OMC – A Organização Mundial do Comércio é o organismo internacional responsável por legislar e acompanhar as transações econômicas e comerciais realizadas entre diferentes países. Além disso, o seu principal objetivo é promover a liberalização mundial do comércio, visando combater o chamado protecionismo alfandegário, em que uma nação impõe elevadas tarifas para produtos estrangeiros a fim de favorecer a indústria local. Quando algum país tem algum tipo de problema ou entrave com outro Estado, ele geralmente recorre à OMC como instância máxima para avaliar e julgar a questão.
Otan – A Organização do Tratado do Atlântico Norte é um tratado ou pacto militar, que inicialmente congregava os principais países capitalistas e objetivava combater o socialismo, que também tinha o seu pacto militar, o Pacto de Varsóvia. Porém, desde o final da Guerra Fria, os objetivos dessa organização se alteraram, tornando-se como um instrumento militar das grandes potências a fim de intervir em conflitos armados em qualquer parte do mundo para assegurar direitos internacionais ou combater possíveis “ameaças” ao atual sistema internacional.
Fazem parte da Otan, desde o seu surgimento, Alemanha, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Estados Unidos, Espanha, França, Grécia, Inglaterra, Itália, Holanda, Luxemburgo, Noruega, Portugal, Islândia e Turquia. Posteriormente, várias das ex-repúblicas soviéticas também ingressaram no pacto, como a Bulgária, Romênia, Estônia, Letônia, Lituânia, Eslováquia e Eslovênia, além da Rússia, que atua como membro observador.
FMI – O Fundo Monetário Internacional é uma organização financeira responsável por garantir a estabilidade econômica internacional. Ele é composto por 187 países e foi criado em 1944 na Conferência de Bretton Woods. Seu funcionamento, basicamente, ocorre através do gerenciamento e concessão de empréstimo para aqueles países que o solicitam.
Normalmente, o dinheiro do FMI é fornecido pelos seus próprios países-membros, de forma que aqueles que mais contribuem são justamente aqueles que mais possuem poder de decisão. Para adquirir empréstimos, o país em questão deve atender a uma série de exigências, transformando suas economias internas e, geralmente, abrindo sua economia para o mercado estrangeiro.
Banco Mundial – foi criado em 1945 na Conferência de Bretton Woods juntamente ao FMI. Trata-se de uma organização financeira vinculada à ONU, mas que possui a sua própria autonomia. Seu objetivo inicial era conceder empréstimos direcionados aos países europeus que haviam sido devastados pela Segunda Guerra Mundial. Posteriormente, seus objetivos mudaram e seu intuito passou a ser o de conceder empréstimos a países da Ásia, África e Américas.
OIT - A Organização Internacional do Trabalho é uma instituição responsável por regulamentar, fiscalizar, estudar e avaliar as relações de trabalho existentes em todo o mundo. É considerada uma organização “tripartite”, ou seja, formada por três tipos diferentes de forças: os governos de 182 países, além de representantes de empresas empregadoras e de representações trabalhistas ou sindicais.
OCDE – A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico é uma instituição atualmente composta por 34 países. Seu objetivo é fomentar e incentivar ações de desenvolvimento econômico de seus países-membros, além de medidas que visem à ampliação de metas para o equilíbrio econômico mundial e melhorem as condições de vida e os índices de renda e emprego. O Brasil não é um membro dessa organização.

Org. Rég!s

http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/organizacoes-internacionais.htm



   
                   ESTUDO DE CASO !!!



Resenha sobre o filme "Hotel Ruanda"


     
Hotel Ruanda recebeu três indicações ao Oscar.
    "Hotel Ruanda" foi lançado em 2004, dirigido por Terry George, e conta a história de Paul Rusesabagina, gerente do Mille Collines, um hotel 4 estrelas em Kigali, capital de Ruanda. Contextualizado no período da 1ª Guerra de Ruanda, o filme retrata a dificuldade que os tutsis encontraram em se manter vivos quando os hutus assumiram o poder.
     Foi exatamente o antagonismo entre as etnias, forçadas pelos colonizadores a conviver dentro das mesmas fronteiras, que causou primordialmente todos esses conflitos.
      Quando a morte do presidente ruandês e hutu em um atentado aéreo é noticiada, logo seus partidários presumem que o ato foi culpa dos tutsis, que, de alguma maneira, estavam insatisfeitos com o acordo de paz assinado. Querendo vingança, os hutus começaram a matança. 
      Paul, mesmo sendo hutu, tem, a partir desse momento, o objetivo de proteger sua família e seus vizinhos, todos de origem contrária a sua. Ele usa a influência e contatos que possui para subornar o exército, impedindo que seus amigos sejam mortos. Com o assassinato de pessoas importantes na política, a confusão fica cada vez mais descontrolada. O hotel onde Paul trabalha parece ser o único lugar seguro, por ser propriedade de uma empresa belga. Portanto, é pra lá que os refugiados tutsis vão. A ONU é enviada, mas incapaz de estabelecer a paz, só poderia mantê-la. Assim, os ruandeses se sentem cada vez mais abandonados pelo apoio internacional, principalmente depois de exércitos europeus serem enviados para somente resgatarem os turistas.
      O número de mortos torna-se cada dia maior e, buscando deixar o país, algumas famílias que seguem a caminho da fronteira em um caminhão sofrem um ataque por causa da denúncia de um dos funcionários do hotel; Paul subornou o exército, mas a milícia Interahamwe, hutus extremistas, ainda era adepta a "limpeza" geral dos tutsis.
    Paul vai, gradativamente, se vendo mais desorientado. Entende que sua última oportunidade é usar de informações de fora para chantagear o General Bizumigo, o hutu no poder na época. Ele diz que os Estados Unidos o vê como principal causador da Guerra Civil que acontecia, mas que deporia a seu favor caso o protegesse. O General cede e o leva de volta à sua família, no Mille Collines. 
      Alguns ônibus com todos abrigados no hotel parte novamente para tentar chegar ao campo de refugiados, dessa vez, com acompanhamento da ONU e do Exército e, mesmo assim, sofre um ataque, rapidamente reprimido pelos rebeldes tutsis. A família de Paul e todos os outros chegam bem no campo de refugiados, encontrando, inclusive, com parentes desaparecidos. Rusesabagina foi o grande herói, tendo salvo mais de 1200 pessoas do genocídio em Ruanda.
      O filme retrata de maneira comercial a história verídica da Guerra de Ruanda, na qual duas etnias opostas sofrem pelas atrocidades que ocorreram no país em 1994, fazendo de tudo para salvar sua vida. O foco não apenas nas mortes em si, mas em uma família e em como isso a afetou, nos faz ter uma empatia maior com o filme e uma antipatia com todos aqueles que fizeram parte dessa catástrofe ou que não foram capazes de ajudar.

Luciana Timponi

Org. Rég!s


http://oiamigosdapolitica.blogspot.com.br/2015/07/hotel-ruanda-recebeu-tres-indicacoes-ao.html



             FILME ILUSTRATIVO :  HOTEL RUANDA 


                             https://www.youtube.com/watch?v=EJ1AethzD2o






      FILME ILUSTRATIVO :  HOTEL RUANDA RESUMO

                            https://www.youtube.com/watch?v=ygxpjOUnbQk








Porque o Brasil quer fazer parte do conselho de Segurança da ONU ?
Por que o Brasil quer a ONU

A possibilidade da qual o Brasil agora dispõe, de ascender ao restrito grupo que possui poder de veto, representa patamar de poder real, não isento de responsa­­bi­­lidades e de desafios
O Brasil acaba de ver realizar-se o passo mais concreto em direção ao perene anseio de sua política externa. Na recente reunião dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), realizada na China, de maneira inédita e incisiva, o bloco defendeu sem meias palavras a necessidade de reforma da Organização das Nações Unidas (ONU). Vale dizer, mais assentos permanentes em seu Conselho de Segurança e a consequente abertura da vaga brasileira.
A ONU, ao contrário do que afirmam seus detratores, sempre se fortalece após as crises, consolidada como insubstituível fórum mundial, a prover a manutenção da paz e a segurança coletiva possíveis. A recorrente crítica que recebe decorre de expectativas ingênuas acerca do que possa ser o multilateralismo em um mundo de geometrias variáveis, com todos os limites e circunstâncias da realidade. E, se a ONU é importante, o Conselho de Segurança é em seu bojo o órgão das grandes decisões: os membros efetivos, Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China, podem, como única exceção ao princípio da igualdade das nações, bloquear pelo veto individual qualquer decisão da organização, ungindos como os cinco efetivos juízes da sociedade internacional. O Conselho de Segurança possui ainda dez membros transitórios, dentre os quais o Brasil, que, embora possam votar, não podem vetar. Trata-se de grupo de poder aparente, o que explica o empenho do Itamaraty na conquista do assento permanente.
Compor o Conselho de Segurança como membro pleno não corresponde a pretensão nova da política externa brasileira. Já na conferência para a fundação da ONU, em 1945, conforme relatório do chefe da delegação brasileira, embaixador Pedro Leitão Velloso, o país pleiteava o mesmo tratamento que se concedia à França, a assinalar “a decepção que a exclusão brasileira poderia significar junto a opinião pública”. Na lógica de poder do segundo pós-guerra, no entanto, a capacidade nuclear era fator primordial e o Brasil estava fora do que depois chamou-se “clube atômico”. Claramente, no entanto, temos tradição e prestígio na casa. A primeira fala que se ouviu na Assembleia-Geral, em 1947, foi a de Oswaldo Aranha e, desde então, incumbe ao Brasil a abertura anual das sessões.
Hoje, em um mundo totalmente distinto daquele que viu nascer a organização, no qual as grandes decisões não devem ser tomadas à revelia de potências emergentes como Brasil e Índia, o aggironamento dos mecanismos de poder e de decisões é inadiável. Em particular, com a adoção de medidas de maior transparência e coparticipação, conforme o predominante espírito do tempo em que vivemos.
A possibilidade da qual o Brasil agora dispõe, de ascender ao restrito grupo que possui poder de veto, além do caráter simbológico que encerra, representa patamar de poder real, não isento de responsabilidades e de desafios. No plano dos encargos, devemos estar atentos aos grandes gastos que irão sobrevir, em especial no que se refere à participação em missões de paz, que tendem a ser cada vez mais onerosas e frequentes. Porém os lucros são muito maiores e a Nação adquire outro substrato, com prestígio e credibilidade traduzíveis de imediato em vantagens comerciais e de inserção em novos mercados. Algo indispensável para o País, que necessita aumentar o tamanho e a qualidade de sua economia, assolado pelo clamor da miséria residual de substancial parcela de sua população, a par das contradições de um processo de desenvolvimento desarmônico e sincopado.
De resto, galgar o mais alto escalão internacional poderia ser a redenção para uma identidade nacional, como sociedade que assume o ônus e o bônus de sua propalada grandeza. Também serviria para permitir superar o recorrente dilema da imagem do Brasil: por vezes locus caricato de banalidades e futilidades tropicais e, por outras, a sétima economia do mundo, mercado confiável para investimentos e parcerias estratégicas. Afinal, um passo memorável, a obrigar o País a incorporar e a projetar a sua verdadeira face.

Jorge Fontoura, professor titular do Instituto Rio Branco, é presidente do Tribunal Permanente de Revisão do Mercosul

Org. Rég!s
http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/por-que-o-brasil-quer-a-onu-3yk9sxcdiqhhwd8cvfyzipr2m

quinta-feira, 30 de março de 2017

RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 8º ANO

      UMA CARACTERÍSTICA  QUE DIFERENCIA MUITO OS PAÍSES DESENVOLVIDOS DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS  É A CONCENTRAÇÃO DE RENDA. QUANTO A ESSA CARACTERÍSTICA, ASSINALE A AFIRMATIVAS FALSA :

 (   A ) Os países subdesenvolvidos são marcados pela grande concentração de renda e aenorme desigualdade social, onde a maioria da população é constituída por pessoas de baixa renda.

(   B  ) Nos países subdesenvolvidos, devido à grande concentração de renda ,  a maioria da população é constituída ( formada) por pessoas com uma renda elevada , desta forma , nesses países , os ricos formam uma maioria que detém  a maior parte da riqueza.


(   C  ) Há uma pequena parcela da população dos países subdesenvolvidos que desfruta de qualidade de vida e de níveis de consumo muito semelhantes aos de países desenvolvidos, reforçando as desigualdades sociais.  

JUSTIFIQUE !!!

 ... Minimo 15 linhas 

Resultado de imagem para subdesenvolvimento significadoResultado de imagem para subdesenvolvimento significado


Resultado de imagem para país desenvolvido









sexta-feira, 24 de março de 2017

AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA 8º ANO 1º BIMESTRE


AVALIAÇÃO DE GEOGRAFIA 8º ANO


NOME :

Nº __________________


1) Sobre o conceito de região e suas aplicações, julgue as afirmativas como verdadeiras ou falsas e marque a única afirmativa falsa.

I. As regionalizações são construções humanas, já que são os seres humanos que determinam os limites entre as regiões. Portanto, os limites das regiões não são estáticos.

II. Qualquer região deve ser estudada como uma unidade homogênea, que não possui diversidades internas, nem relação com outros espaços.

III. As regiões são importantes ferramentas de trabalho para a Geografia, porém seu estudo requer cuidados para que não se caia em generalizações erradas ou exageradas.





2) Regionalizar o espaço significa agrupar áreas com características semelhantes.

a) Quais são as vantagens e a importância de se regionalizar o espaço?

Nos permite estudar os países em conjunto; nos faz entender como um fenômeno se distribui no espaço geográfico; Facilita a administração das politicas públicas.


b) Quais os vários critérios que podemos usar na regionalização de um determinado espaço?


critérios como: formações vegetais, os tipos de clima, o IDH, a religião, os idiomas, a distribuição das terras emersas, etc.




3) Aponte alguns cuidados que devem ser observados ao estudar uma região, ou ao regionalizar um determinado espaço.

A região é uma construção humana, portanto, é permeada de valores humanos, opiniões e pontos de vistas;

Os limites não são estáticos, ou seja, os limites que separam uma região, podem mudar com o passar do tempo, de acordo com as necessidades ou pontos de vista humanos.

A região ´não é homogênea, ela apresenta diferenças internas,e relação com outros lugares e não podemos generalizar, para que não se faça exageros.




4) O socialismo quase desapareceu (com exceção de Cuba e Coreia do Norte), por isso não tem mais sentido a regionalização ou divisão do mundo em:


a) países desenvolvidos e subdesenvolvidos;
b) países do primeiro, segundo e terceiro mundo;
c) países do centro e países periféricos;
d) países do Norte e países do Sul.



5) Durante a década de 1980, a imprensa e os meios diplomáticos passaram a utilizar as expressões_______e ________ para referir-se aos países desenvolvidos e subdesenvolvidos. Essas expressões têm como base a posição geográfica dos países, embora não em relação à linha equatorial.

a) países desenvolvidos e subdesenvolvidos;
b) países do primeiro, segundo e terceiro mundo;
c) países do centro e países periféricos;
d) países do Norte e países do Sul.


6) Cite três características de países subdesenvolvidos:



* Apresenta baixo indicador de desenvolvimento socioeconômico e humano. 
* Baixa renda
* Fraqueza em recursos humanos, saúde, educação e alfabetização.
* Alto crescimento demográfico



Org . Reg!s
Fonte :  http://geografiadoprofessorhelio.blogspot.com.br/2015/03/exercicios-regionalizacao-do-espaco.html

         : https://regininha-atividadesescolares.blogspot.com.br/2012_08_01_archive.html

 

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

VIDEOS PARA SEXTO ANO HISTORIA

VIDEOS  PARA SEXTO ANO HISTORIA

O QUE É HISTÓRIA I  ?



O QUE É HISTÓRIA II  ?




O QUE SÃO FONTES HISTÓRICAS ?





 O QUE É FATO HISTORICO ?



TEMPO HISTÓRICO E TEMPO CRONOLOGICO O QUE É ISSO ?

PARTE I
PARTE II





sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017