sábado, 26 de outubro de 2013

*******************************************************************************
O PRIMEIRO PASSO  ... 
ASSISTIR AOS VIDEOS PARA SABERMOS  UM POUCO SOBRE  UM PERIODO DA HISTORIA DO BRASIL  , CONHECIDO COMO : " A ERA  VARGAS "
*******************************************************************************






*********************************************************************************
SEGUNDO PASSO ... TEXTO BASE ... 
TODOS TEM QUE TER E LER ...
LEIA UM BOM RESUMO ...  ESTE RESUMO TEM VARIOS LINKS QUE PODERÃO AJUDAR A ESCLARECER VARIAS DUVIDAS .
*********************************************************************************   

ERA VARGAS
Era Vargas é o nome que se dá ao período em que Getúlio Vargas governou o Brasil (de 1930 a 1945 e de 1951 a 1954). Essa época foi um divisor de águas na história brasileira, por causa das inúmeras alterações que Vargas fez no país, tanto sociais quanto econômicas.
Getúlio Dornelles Vargas
Golpe de 1930

O Brasil da República Velha

Até o ano de 1930, no Brasil, vigorava a República Velha, como é conhecida hoje. Caracterizada por uma forte centralização do poder entre os partidos políticos e a conhecida aliança política "café-com-leite" (entre São Paulo e Minas Gerais), a República Velha tinha grande embasamento na economia cafeeira e, portanto, mantinha vínculos com grandes proprietários de terras.
Existia, de acordo com as políticas do "café-com-leite", um revezamento entre os presidentes apoiados pelo PRP, de São Paulo, e o PRM, de Minas. Os presidentes de um partido, ao término de seu mandato, anunciavam como candidato do governo um nome do outro partido, e outros estados faziam a oposição oficial. O problema estourou em 1929, quando do fim do governo do presidente Washington Luís Pereira de Sousa. O PRM indicou para Washington Luís o nome de Antônio Carlos, então governante de Minas Gerais. Luís, todavia, defendeu a candidatura de Júlio Prestes, paulista, que defenderia a oligarquia cafeeira frente à crise mundial da I Guerra Mundial e Depressão de 1929. O partido mineiro então anunciou que iria apoiar o nome da oposição e, aliando-se ao Rio Grande do Sul e Paraíba, lançou o nome de Getúlio Vargas.

O Golpe do Exército

Júlio Prestes, todavia, conseguiu a vitória, mas ela foi negada pela Aliança (nome dado aos aliados gaúchos, mineiros e paraibanos), que alegavam fraudes eleitorais. Os estados aliados, principalmente o Rio Grande do Sul, arquitetou uma revolta armada. A situação piorou ainda mais, quando o candidato à vice-presidente de Getúlio Vargas, João Pessoa, foi assassinado em Recife, capital de Pernambuco. Apesar dos motivos terem sido pessoais, a indignação aumentou, e o Exército - que era contrário ao governo vigente desde o tenentismo - se mobilizou a partir de 3 de Outubro de 1930. No dia 10, uma junta governamental foi formada pelos generais do Exército. No mês seguinte, o poder foi passado para Getúlio Vargas e nao constituiu aumento (aeronautica,exercito e marinha) das viuvas e as deixou sem o ´´montefio´´(salario do marido ou herança do pai)e levou o dinheiro para sua terra.

A Era Vargas

Governo Provisório (1930 - 1934)

Nomeado presidente, Getúlio Vargas gozava de poderes quase ilimitados e, aproveitando-se deles, começou a tomar políticas de modernização do país. Ele criou, por exemplo, novos ministérios - como o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio e o Ministério da Educação e Saúde -, e nomeou interventores de estados. Na prática, os estados perdiam grande parte da sua autonomia política para o presidente.
A Getúlio Vargas também é creditado, nesta época, a Lei da Sindicalização, que vinculava os sindicatos brasileiros ao presidente. Vargas pretendia, assim, tentar ganhar o apoio popular, para que estes apoiassem suas decisões (a política conhecida como populismo. Mesmo assim, houve, na Era Vargas, grandes avanços na legislação trabalhista brasileira, que perduram até hoje.

Revolução Paulista de 1932

Em 1931, Getúlio Vargas derruba a Constituição brasileira, reunindo enormes poderes no Brasil. Isso despertou a indignação dos opositores, principalmente oligarcas e a classe média paulista, que estavam desgostosos com o governo getulista. A perda de autonomia estadual, com a nomeação de interventores, desagradou ainda mais. Por mais que Getúlio Vargas tenha percebido o erro e tentado nomear um interventor oligarca paulista, os paulistas já arquiquetavam uma revolta armada, a fim de defender a criação de uma nova Constituição.
Quando quatro estudantes paulistanos Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo são assassinados no dia 23 de Maio de 1932, diversos setores da sociedade paulista se mobilizam com o evento, e toda a sociedade passa a apoiar a causa constitucional. No dia 9 de Julho do mesmo ano, a revolução explode pelo estado. Os paulistas contavam com apoio de tropas de diversos estados, como Rio de Janeiro, Minas e Rio Grande do Sul, mas Getúlio Vargas foi mais rápido e conseguiu reter esta aliança, isolando São Paulo. Sem qualquer apoio, os flancos paulistas ficaram vulneráveis, e o plano de rápida conquista do Rio de Janeiro transformaram-se em uma tentativa desesperada de defender o território estadual. Sem saída, o estado se rende em 2 de Outubro.
Mesmo com a vitória militas, Getúlio Vargas atende alguns pedidos dos republicanos, e aprova a Constituição de 1934.

O Governo Constitucionalista (1934 - 1937)

Getúlio Vargas convoca a Assembléia em [[1933], e em 16 de Julho de 1934 a nova Constituição entra em vigor, conhecida como polaca. No mesmo caso, o Colégio Eleitoral escolhe o próprio Getúlio Vargas como presidente da República.
Nessa mesma época, duas grandes vertentes políticas começaram a influenciar a sociedade brasileira. Por um lado, a extrema direita fundara a Ação Integralista Brasileira, baseado nos movimentos nazista e fascista na Europa. Pelo outro lado, crescia a força do Partido Comunista do Brasil, espelhado no sucesso da instauração do socialismo na União Soviética.

O Plano Cohen

Getúlio Vargas sempre se mostrou contra o socialismo, e usou este pretexto para o seu maior sucesso político - o golpe de 1937. O PCB havia criado aAliança Nacional Libertadora, mas Getúlio Vargas a declarou ilegal, e a fechou. Assim, em 1935, a ANL (segundo alguns, com o apoio da Comintern) montou a Intentona Comunista, uma revolta contra Getúlio Vargas, mas que este facilmente conteve. Em 1937, Getúlio Vargas forja o "Plano Cohen", em que dizia-se que os socialistas planejavam uma revolução maior e mais bem-arquitetada do que a de 1935, e teria o amplo apoio do Partido Comunista da União Soviética. Os militares e boa parte da clásse média brasileira, assim, apóia a idéia de um governo mais fortalecido, para espantar a idéia da imposição de um governo socialista no Brasil. Com o apoio militar e popular, Getúlio Vargas derruba a Constituição, e declara o Estado Novo.

Estado Novo (1937 - 1945)

A constiuição de 1937, que criou o Estado Novo getulista tinha caráter centralizador e autoritário, ela suprimiu a liberdade partidária, a independência entre os três poderes, e o federalismo, os prefeitos passaram a ser nomeados pelos governadores, e esses, por sua vez, pelo presidente, foi criado o DIP (Departamento de Imprensa e Propaganda), com o intuito de projetar Vargas como o "Pai dos Pobres" e o "Salvador da Pátria".

Segunda Guerra
O Brasil enfrentou a 2ª Guerra Mundial sob o punho de ferro do regime getulista. Em 1940Vargas citou em um discurso as qualidades do Eixo, o que fez que todos acreditassem que em breve o Brasil se uniria a ele, até porque, o Estado Novo era um governo de cunho fascista.
Porém, os inúmeros ataques a encouraçados brasileiros por submarinos nazistas, além de uma longa negociação com o governo dos Estados Unidos, fez com que o Brasil, em 1942, se unisse ao aliados, declarando guerra à Alemanha Nazista.
Neste período, Vargas assinou o Tratado de Washington com o presidente norte-americano Roosevelt, garantindo a produção de 45 mil toneladas delátex para as forças aliadas, o que impulsionou o segundo ciclo da borracha, trazendo progresso para a região da Amazônia e também colonização, uma vez que só do nordeste do Brasil foram para a Amazônia 54 mil trabalhadores, destes a maioria do Ceará.
O Fim
No dia 29 de outubro de 1945Getúlio Vargas foi deposto por um golpe militar, sendo conduzido ao exílio na sua cidade natal, São Borja. No dia 2 de dezembro do mesmo ano, foram realizadas eleições livres para o parlamento e presidência, nas quais Getúlio seria eleito senador pela maior votação da época. Era o fim da Era Vargas, mas não o fim de Vargas, que em 1951 retornaria à presidência pelo voto popular.

Org. Reg!s
fonte :http://www.bussolaescolar.com.br/historia_do_brasil/era_vargas.htm


Um comentário:

  1. Regis você não pegou meu blog http://meriadny.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir